José Agualusa


Assista nos planos:

Roteiro: Vivian Brito

Empresa(s) produtora(s): Prosperidade Filmes

Produção Executiva: Luana Furquim

Entrevistados: José Eduardo Agualusa

Autor de romances, contos, novelas e peças de teatro, José Eduardo Agualusa é considerado um dos mais importantes escritores em língua portuguesa da atualidade. Nascido em Angola, ele estudou agronomia e silvicultura, mas logo migrou para o jornalismo, carreira marcada por sua contribuição em diversos jornais. Hoje, com dezenas de prêmios acumulados e livros publicados, Agualusa tem suas obras traduzidas para mais de 25 idiomas. Em Fronteiras do Pensamento, o escritor reflete sobre a capacidade da literatura questionar e transformar a realidade. Afinal, para ele a ficção é um exercício permanente de empatia, de se colocar no lugar de outro, de forma que os livros atuam como pontes num mundo marcado pela construção de muros.

Envie o seu comentário

Faça login ou se cadastre para comentar a obra.

Carregar mais comentários

Envie o seu comentário

Após aprovação, seu comentário será publicado e enviado para o diretor do filme. | Normas para publicação

Etapa/Nível de Ensino: Ensino Médio

Área de Ensino: Ciências Humanas

Componente Curricular/Disciplina: Filosofia, Sociologia


Relatos de Professores (0)
Utilizou este filme em suas aulas? Relate sua experiência!
26 min
2019
Brasil
SP
12 ANOS

Séries: Fronteiras do Pensamento (2019) | 4 Episódios de 26 Minutos

Diretor: André Brandão, Ricardo Carioba

Sinopse: Autor de romances, contos, novelas e peças de teatro, José Eduardo Agualusa é considerado um dos mais importantes escritores em língua portuguesa da atualidade. Nascido em Angola, ele estudou agronomia e silvicultura, mas logo migrou para o jornalismo, carreira marcada por sua contribuição em diversos jornais. Hoje, com dezenas de prêmios acumulados e livros publicados, Agualusa tem suas obras traduzidas para mais de 25 idiomas. Em Fronteiras do Pensamento, o escritor reflete sobre a capacidade da literatura questionar e transformar a realidade. Afinal, para ele a ficção é um exercício permanente de empatia, de se colocar no lugar de outro, de forma que os livros atuam como pontes num mundo marcado pela construção de muros.

Alugue