1789-1888: Novas Fronteiras da Escravidão


Disponível no:

Produção: Fanny Glissant, Jean Labib

Edição: Audrey Maurion

Animação: Olivier Patté

Empresa(s) produtora(s): ARTE France, Compagnie des Phares et Balises

Produção Executiva: Nathalie de Mareuil

Em Londres, Paris e Washington, o movimento abolicionista ganhou força. Após a rebelião de escravos em Santo Domingo, e enfrentando a crescente indignação da opinião pública, as principais potências européias aboliram o comércio transatlântico em 1807. No entanto, a Europa, no meio da revolução industrial, não poderia prescindir da força de trabalho escrava. Alargaram, assim, ainda mais as fronteiras da escravidão e fizeram vista grossa às novas formas de exploração humana no Brasil, nos Estados Unidos e na África.
Próximas exibições no canal Curta!
10/12/2021 19:00:00 [daqui a 9 dias]
11/12/2021 04:00:00 [daqui a 10 dias]
13/12/2021 13:00:00 [daqui a 12 dias]
14/12/2021 07:00:00 [daqui a 13 dias]
Envie o seu comentário
Faça login ou se cadastre para comentar a obra.
Carregar mais comentários
Envie o seu comentário
Após aprovação, seu comentário será publicado e enviado para o diretor do filme. | Normas para publicação

Aplicabilidades Pedagógicas



Etapa/Nível de Ensino: Ensino Fundamental - Anos Finais, Ensino Médio

Área de Ensino: Ciências Humanas

Componente Curricular/Disciplina: História, Sociologia


Relatos de Professores



Utilizou este filme em suas aulas? Relate sua experiência!


Relatos de Professores (0)

Testes de Conhecimentos


Você é Educador? Crie o primeiro teste de conhecimentos para este filme! Criar Teste

52 min
2018
França
LIVRE

Séries: Rotas da Escravidão | 4 Episódios de 52 Minutos

Diretor: Daniel CattierFanny GlissantJuan Gélas

Sinopse: Em Londres, Paris e Washington, o movimento abolicionista ganhou força. Após a rebelião de escravos em Santo Domingo, e enfrentando a crescente indignação da opinião pública, as principais potências européias aboliram o comércio transatlântico em 1807. No entanto, a Europa, no meio da revolução industrial, não poderia prescindir da força de trabalho escrava. Alargaram, assim, ainda mais as fronteiras da escravidão e fizeram vista grossa às novas formas de exploração humana no Brasil, nos Estados Unidos e na África.

Alugue