A Sombra e o Silêncio - Eryk Rocha


Disponível nos planos:

Edição: Renato Vallone

Empresa(s) produtora(s): Saruê Filmes

Câmera: Ángel Dí­az

Produção Executiva: Érica de Freitas

Assistente de Produção: Éthel Oliveira, Shênia Mineiro Martins, Vanessa Camargo

Finalização: Luiz Guimarães De Castro

Pesquisa: Fábio Andrade

Direção de Fotografia: Ángel Dí­ez

Mixagem: Damião Lopez

Montagem: Renato Vallone

Entrevistados: Eryk Rocha

Argumento: Fábio Andrade

Recém-premiado no Festival de Cannes pelo documentário Cinema Novo (2016), ele estudou na Escola Internacional de Cinema e Televisão, em Cuba, e desenvolveu carreira explorando principalmente o documentário. Fiel aos compromissos políticos e estéticos da geração de seu pai, Glauber Rocha, e ao experimentalismo da obra audiovisual de sua mãe Paula Gaetan, explora com rara sensibilidade temas como a cultura andina em Pachamama (2010), a música de Jards (2012) e a condição contemporânea em Transeunte (2011). Erik também fez referências ao cinema e às raízes familiares em filmes como Rocha que Voa (2002) e no próprio Cinema Novo. É um ativista em defesa da reflexão em torno do cinema e da transformação do pensamento por meio da expressão cinematográfica.

Envie o seu comentário

Faça login ou se cadastre para comentar a obra.

Carregar mais comentários

Envie o seu comentário

Após aprovação, seu comentário será publicado e enviado para o diretor do filme. | Normas para publicação

Etapa/Nível de Ensino: Ensino Médio

Área de Ensino: Linguagens

Componente Curricular/Disciplina: Arte


Relatos de Professores (0)
Utilizou este filme em suas aulas? Relate sua experiência!
50 min
2017
Brasil
RJ
LIVRE

Séries: A Linguagem do Cinema - 2ª Temporada | 11 Episódios de 51 Minutos

Diretor: Geraldo Sarno

Sinopse: Recém-premiado no Festival de Cannes pelo documentário Cinema Novo (2016), ele estudou na Escola Internacional de Cinema e Televisão, em Cuba, e desenvolveu carreira explorando principalmente o documentário. Fiel aos compromissos políticos e estéticos da geração de seu pai, Glauber Rocha, e ao experimentalismo da obra audiovisual de sua mãe Paula Gaetan, explora com rara sensibilidade temas como a cultura andina em Pachamama (2010), a música de Jards (2012) e a condição contemporânea em Transeunte (2011). Erik também fez referências ao cinema e às raízes familiares em filmes como Rocha que Voa (2002) e no próprio Cinema Novo. É um ativista em defesa da reflexão em torno do cinema e da transformação do pensamento por meio da expressão cinematográfica.

Alugue