Cadeira 15: Literatura, irmã gêmea da liberdade

Disponível nos planos:

Produção: Thaí­s Sleiman

Edição: Antonia Gama, João Coimbra

Empresa(s) produtora(s): Giros Produção

Som: Amaury Arboun, Helio Leite

Direção de produção: Cláudia Lima

Assistente de Câmera: Amaury Arboun, Helio Leite

Pesquisa de Imagens: Remier Lion

Produção Executiva: Maria Carneiro da Cunha

Assistente de Produção: Ricardo Aquino

Assistente de edição: Juliana Ludolf

Finalização: IlhaBraw

Pesquisa: Angélica Fontella, Bia Kling, Juliana Colares

Direção de Fotografia: Mário Franca

Consultoria: Luiz Dolino

Trilha Sonora: Rodrigo Lima

Locução: Fernanda Montenegro

Entrevistados: Antonio Dimas, Cássia Santana, Irineu E. Jones, João Cézar Castro da Rocha, Marco Lucchesi, Maurí­cio Santana Dias

Coordenação de Produção: Lia Rezende

Conteúdo: Lúcia Tupiassú

Identidade Visual: Rodrigo Lima

Argumento: Angélica Fontella, Bia Kling, Juliana Colares

Envie o seu comentário

Faça login ou se cadastre para comentar a obra.

Carregar mais comentários

Envie o seu comentário

Após aprovação, seu comentário será publicado e enviado para o diretor do filme. | Normas para publicação

Etapa/Nível de Ensino: Ensino Fundamental - Anos Finais, Ensino Médio

Área de Ensino: Linguagens

Componente Curricular/Disciplina: Língua Portuguesa


Relatos de Professores (0)
Utilizou este filme em suas aulas? Relate sua experiência!
26 min
2018
Brasil
RJ
10 ANOS

Séries: Imortais da Academia | 42 Episódios de 26 Minutos

Diretor: Belisario Franca

Sinopse: O episódio percorre a história da cadeira 15 da Academia Brasileira de Letras que faz as vezes de um dicionário de rimas e esbanja a presença de grandes poetas. Ela tem início com Olavo Bilac, o Príncipe dos Poetas. Ele, que veio a se tornar símbolo do movimento parnasiano brasileiro, elegeu outro nome emblemático como patrono de sua vaga: Gonçalves Dias, o expoente máximo da nossa poesia indianista. Destaque ainda para Guilherme de Almeida, considerado por Manuel Bandeira o maior artista do verso em língua portuguesa. Já o atual ocupante, o também poeta Marco Lucchesi, acredita que a literatura é irmã gêmea da liberdade.

Alugue