Cadeira 17: A serviço da cultura nacional

Disponível nos planos:

Produção: Thaí­s Sleiman

Edição: Antonia Gama, João Coimbra

Empresa(s) produtora(s): Giros Produção

Som: Amaury Arboun, Helio Leite

Direção de produção: Cláudia Lima

Assistente de Câmera: Amaury Arboun, Helio Leite

Pesquisa de Imagens: Remier Lion

Produção Executiva: Maria Carneiro da Cunha

Assistente de Produção: Ricardo Aquino

Assistente de edição: Juliana Ludolf

Finalização: IlhaBraw

Pesquisa: Angélica Fontella, Bia Kling, Juliana Colares

Direção de Fotografia: Mário Franca

Consultoria: Luiz Dolino

Trilha Sonora: Rodrigo Lima

Locução: Fernanda Montenegro

Entrevistados: Eugênio Bucci, Flavio Tavares, Nelly Carvalho, Regina Lúcia de Faria, Virgí­nia Leal

Coordenação de Produção: Lia Rezende

Conteúdo: Lúcia Tupiassú

Identidade Visual: Álvaro Franca

Argumento: Angélica Fontella, Bia Kling, Juliana Colares

Envie o seu comentário

Faça login ou se cadastre para comentar a obra.

Carregar mais comentários

Envie o seu comentário

Após aprovação, seu comentário será publicado e enviado para o diretor do filme. | Normas para publicação

Etapa/Nível de Ensino: Ensino Fundamental - Anos Finais, Ensino Médio

Área de Ensino: Linguagens

Componente Curricular/Disciplina: Língua Portuguesa


Relatos de Professores (0)
Utilizou este filme em suas aulas? Relate sua experiência!
26 min
2018
Brasil
RJ
LIVRE

Séries: Imortais da Academia | 42 Episódios de 26 Minutos

Diretor: Belisario Franca

Sinopse: Neste episódio, a série Imortais da Academia fala sobre os eminentes ocupantes da cadeira 17 da Academia Brasileira de Letras, poltrona que reúne mentes que estiveram, num ou noutro campo, a serviço da cultura nacional. Do atual ocupante, o diplomata Affonso Arinos de Mello Franco, ao fundador da cadeira, Sílvio Romero, um dos mais destacados críticos literários de seu tempo, que pouco temia as polêmicas recorrentes de seu métier. Incluindo ainda: Antonio Houaiss, primoroso filólogo, organizador de enciclopédias e dicionários, e o antropólogo Roquette-Pinto, que desde cedo viu na tecnologia uma aliada da educação e, não à toa, carrega o apelido de pai da radiodifusão no Brasil.

Alugue