Cícero Dias - Eu vi o mundo… Ele começava no Recife


Assista nos planos:

Produção: Danilo Pena, Nelson Breve, Olivea Andrea

Roteiro: Maria Gessy Sales

Edição: Adriana Miranda

Direção de Arte: Eduardo Santos

Empresa(s) produtora(s): FBL Criação e Produção

Câmera: Marcio Zavareze, Mary Gatis, Tota Paiva

Narração: Ronaldo Rosas

Direção de produção: Penha Ramos

Produção Executiva: Rozane Braga

Pesquisa: Fernanda Lopes Torres

Direção de Fotografia: Marcio Zavareze, Mary Gatis, Tota Paiva

Mixagem: Paulo Brandão

Eletricista: Arimatheia Fernandes

Direção Musical: Daniel Romano, Miguel Couto

Coordenação Geral: Nelson Breve

Figura de destaque do Movimento Regionalista, o pintor pernambucano Cícero Dias é o protagonista deste episódio da série Artistas Plásticos Brasileiros. Sua obra causou polêmica quando ele expôs o primeiro painel abstracionista no Brasil, retratando situações inspiradas em Recife e no interior de Pernambuco. Preso durante a ditadura de Getúlio Vargas partiu para o autoexílio em Paris, onde passou a integrar um seleto grupo de artistas de vanguarda europeus, mas sem abandonar nunca sua temática nordestina.

Envie o seu comentário

Faça login ou se cadastre para comentar a obra.

Carregar mais comentários

Envie o seu comentário

Após aprovação, seu comentário será publicado e enviado para o diretor do filme. | Normas para publicação

Etapa/Nível de Ensino: Ensino Médio

Área de Ensino: Linguagens

Componente Curricular/Disciplina: Arte


Relatos de Professores (0)
Utilizou este filme em suas aulas? Relate sua experiência!
52 min
2017
Brasil
RJ
LIVRE

Séries: Artistas Plásticos Brasileiros | 6 Episódios de 52 Minutos

Diretor: Adriana Miranda, Rozane Braga

Sinopse: Figura de destaque do Movimento Regionalista, o pintor pernambucano Cícero Dias é o protagonista deste episódio da série Artistas Plásticos Brasileiros. Sua obra causou polêmica quando ele expôs o primeiro painel abstracionista no Brasil, retratando situações inspiradas em Recife e no interior de Pernambuco. Preso durante a ditadura de Getúlio Vargas partiu para o autoexílio em Paris, onde passou a integrar um seleto grupo de artistas de vanguarda europeus, mas sem abandonar nunca sua temática nordestina.

Alugue