Cuba e a Fotografia


Disponível no:

Empresa(s) produtora(s): Caliban Produções Cinematográficas

Em Cuba, vamos ao encontro de diversas vertentes da fotografia. Veteranos mostram a corrente mais conhecida, a política, em imagens icônicas de Fidel Castro, de Che Guevara e dos balseiros que tentavam fugir da ilha. Já a nova safra, criada depois da Revolução de 1959, centra seu trabalho em um discurso autorreferencial, onde o indivíduo é mais importante que o grupo. Aqui, o importante não é fotografar a realidade que se vê, mas criar a partir do que se pensa. Há outros que não se encaixam em correntes estéticas, como a fotógrafa que documenta o Balé Nacional de Cuba com imagens que remetem aos clássicos da pintura e um artista que usa cadáveres para compor suas fotos.
Próximas exibições no canal Curta!
20/12/2021 18:30:00 [daqui a 93 dias]
Envie o seu comentário
Faça login ou se cadastre para comentar a obra.
Carregar mais comentários
Envie o seu comentário
Após aprovação, seu comentário será publicado e enviado para o diretor do filme. | Normas para publicação

Aplicabilidades Pedagógicas



Etapa/Nível de Ensino: Ensino Médio

Área de Ensino: Linguagens

Componente Curricular/Disciplina: Arte


Relatos de Professores



Utilizou este filme em suas aulas? Relate sua experiência!


Relatos de Professores (0)

Testes de Conhecimentos


Você é Educador? Crie o primeiro teste de conhecimentos para este filme! Criar Teste

26 min
2017
Brasil
RJ
LIVRE

Séries: Caçadores da Alma | 13 Episódios de 26 Minutos

Diretor: Silvio Tendler

Elenco: Alícia LealAlvaro VilellaAna Carolina FernandesDario de DominicisHumberto MayolIra BlockJosé Julian MartíLeysis QuesadaLisette SolorzanoLuiz Eduardo Robison AchuttiRodney BatistaWalter Firmo

Sinopse: Em Cuba, vamos ao encontro de diversas vertentes da fotografia. Veteranos mostram a corrente mais conhecida, a política, em imagens icônicas de Fidel Castro, de Che Guevara e dos balseiros que tentavam fugir da ilha. Já a nova safra, criada depois da Revolução de 1959, centra seu trabalho em um discurso autorreferencial, onde o indivíduo é mais importante que o grupo. Aqui, o importante não é fotografar a realidade que se vê, mas criar a partir do que se pensa. Há outros que não se encaixam em correntes estéticas, como a fotógrafa que documenta o Balé Nacional de Cuba com imagens que remetem aos clássicos da pintura e um artista que usa cadáveres para compor suas fotos.

Alugue