Disponível nos planos:

Produção: Bettina Turner, Denise Melo

Edição: Beto Bassi, Pablo Pinheiro, Sergio Roizenblit, Tide Gugliano

Empresa(s) produtora(s): Miração Filmes

Direção de produção: Marina Puech Leão

Assistente de Direção: Caio Zerbini

Produção Executiva: Loren Novoa

Direção de Fotografia: Humberto Bassanelli, Sergio Roizenblit

Entrevistados: Chambinho Do Acordeon, Flavinho Lima, Odair José (Alemão)

Técnico de Som: Rene Brasil

Design Gráfico: Beto Bassi

Assist de Produção Executiva: Terezinha Tonolli

Envie o seu comentário

Faça login ou se cadastre para comentar a obra.

Carregar mais comentários

Envie o seu comentário

Após aprovação, seu comentário será publicado e enviado para o diretor do filme. | Normas para publicação

Etapa/Nível de Ensino: Ensino Fundamental - Anos Finais, Ensino Médio

Área de Ensino: Linguagens

Componente Curricular/Disciplina: Arte


Relatos de Professores (0)
Utilizou este filme em suas aulas? Relate sua experiência!
25 min
2011
Brasil
SP
LIVRE

Séries: O Milagre de Santa Luzia – Cultura Popular - Temporada 1 | 12 Episódios de 25 Minutos

Diretor: Sergio Roizenblit

Sinopse: Maior sanfoneiro do Brasil, Dominguinhos é também o apresentador da série O Milagre de Santa Luzia. Nascido em Garanhuns, em Pernambuco, José Domingos de Morais começou sua carreira tocando pandeiro no trio de irmãos Os Três Pinguins, ao lado de Moraes (sanfona) e Valdomiro (malê, uma espécie de zabumba). Nenê (seu apelido na época) tocava com o grupo nas feiras de Garanhuns, e um dia foi ouvido por Luiz Gonzaga, que se encantou com ele e resolveu apadrinhá-lo. Em 1954, Dominguinhos mudou-se para o Rio de Janeiro e radicou-se em Nilópolis; na época, ainda era conhecido por ser o filho do Mestre Chicão, afinador e tocador do instrumento de oito baixos. Ganhou uma sanfona do padrinho Gonzaga e, junto com Miudinho e Borborema, montou o Trio Nordestino. Em 1967 foi levado a São Paulo por Pedro Sertanejo, onde tocou nas casas de forró e lançou muitos discos pela gravadora Cantagalo. No ano seguinte, formou dupla com Anastácia, com quem fez parcerias de muito sucesso, como ‘Eu só quero um xodó’ e ‘Tenho sede’. Na fase pós-tropicalista, nos anos 70, Dominguinhos tocou com Gal Costa, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Elba Ramalho e Maria Bethânia, além de outros importantes nomes da música brasileira. Tem parcerias com Gilberto Gil, Chico Buarque, Nando Cordel e Manduka, só para citar alguns artistas, que são clássicos do nosso cancioneiro. Dominguinhos segue compondo, gravando e fazendo shows com maestria, sempre seguindo os passos do padrinho Luiz Gonzaga, e sendo referência para músicos do Brasil e do mundo. Em sua simplicidade e generosidade, é sem dúvida um dos artistas mais populares do país. Um gênio indiscutível.

Alugue