Tarsila do Amaral - As cores do Brasil


Assista nos planos:

Produção: Danilo Pena, Olivea Andrea

Roteiro: Maria Gessy Sales

Edição: Adriana Miranda

Direção de Arte: Eduardo Santos

Empresa(s) produtora(s): FBL Criação e Produção

Câmera: Marcio Zavareze, Mary Gatis, Tota Paiva

Narração: Ronaldo Rosas

Direção de produção: Penha Ramos

Produção Executiva: Rozane Braga

Pesquisa: Fernanda Lopes Torres

Direção de Fotografia: Marcio Zavareze, Mary Gatis, Tota Paiva

Mixagem: Paulo Brandão

Eletricista: Arimatheia Fernandes

Direção Musical: Daniel Romano, Miguel Couto

Coordenação de Produção: Nelson Breve

A vida e a obra da “caipirinha” Tarsila do Amaral é o tema deste episódio da série Artistas Plásticos Brasileiros. Estudando na Europa, ela não participou da Semana de Arte Moderna de 1922. Na volta ao país, juntou-se aos modernistas Anita Malfatti, Mário de Andrade, Menotti del Picchia e Oswald de Andrade, com quem se casou. Suas pinturas inspiraram os movimentos “Pau Brasil” e “Antropofágico”, com temas, formas e cores tiradas da memória de sua infância nas fazendas de café do interior de São Paulo.

Envie o seu comentário

Faça login ou se cadastre para comentar a obra.

Carregar mais comentários

Envie o seu comentário

Após aprovação, seu comentário será publicado e enviado para o diretor do filme. | Normas para publicação

Etapa/Nível de Ensino: Ensino Médio

Área de Ensino: Linguagens

Componente Curricular/Disciplina: Arte


Relatos de Professores (0)
Utilizou este filme em suas aulas? Relate sua experiência!
52 min
2017
Brasil
LIVRE

Séries: Artistas Plásticos Brasileiros | 6 Episódios de 52 Minutos

Diretor: Adriana Miranda, Rozane Braga

Sinopse: A vida e a obra da “caipirinha” Tarsila do Amaral é o tema deste episódio da série Artistas Plásticos Brasileiros. Estudando na Europa, ela não participou da Semana de Arte Moderna de 1922. Na volta ao país, juntou-se aos modernistas Anita Malfatti, Mário de Andrade, Menotti del Picchia e Oswald de Andrade, com quem se casou. Suas pinturas inspiraram os movimentos “Pau Brasil” e “Antropofágico”, com temas, formas e cores tiradas da memória de sua infância nas fazendas de café do interior de São Paulo.

Alugue