Mesa Brasileira




A série "MESA BRASILEIRA" nasceu da idéia de contar a nossa história de maneira diferente. A série percorre o Brasil e Portugal, registrando como se alimentam, investigando manifestações culturais e história. O que comem e os processos que usam para preparar a comida. Nos apropriando de um olhar antropológico, traçamos um painel extremamente revelador das nossas origens, e da nossa cultura. No seu conjunto os 10 filmes são trabalhados como uma Historia Social do Brasil tendo como dado cultural a comida. O projeto inspirou-se especialmente na obra de Luís da Câmara Cascudo, "A HISTÓRIA DA ALIMENTAÇÃO NO BRASIL", e em diversos autores como: Gilberto Freyre, Sérgio Buarque de Hollanda, Edson Carneiro, Arthur Ramos, Nina Rodrigues, Nunes Pereira, Antonio Olinto, Mário de Andrade, Roger Bastide, Caio Prado Jr., Darcy Ribeiro, Silva Melo, Josué de Castro, Fidelino Figueiredo, e tantos outros. DIGA-ME O QUE COMES QUE TE DIREI QUEM ÉS Raul Lody - Antropólogo Certamente, depois do idioma, a comida é o mais importante elo entre o homem e a cultura. Comer serve para nutrir o corpo, nutrir o espírito e estabelecer contatos com os antepassados, com os deuses. No caso brasileiro, vêem-se mesas identificadoras de diferentes matrizes étnicas, reunindo Ocidente e Oriente. O português navegador aproximou o mundo, estreitando contatos entre os povos. Buscou especiarias, temperos exóticos, frutas estranhas e, assim, incluiu na civilização lusitana presenças da Índia, da Indonésia, da China, da África, da América. Procedentes do reino, Portugal, chegaram queijos, doces de ovos, açúcar, leite, bolos, manjares e outras iguarias originais dos conventos medievais. No Brasil, os índios com alimentação à base de farinha de mandioca, peixes, caças, mostram uma culinária ecológica. Na costa, África, impera o dendê juntamente com inhames, bananas, pimentas, feijões entre outras delícias, como quiabos e camarões. Como se o Brasil fosse um enorme caldeirão, convivem e misturam-se diferentes e saborosas contribuições gastronômicas. Comer é antes de tudo uma forma de prazer, até pelo olhar estético sobre o alimento, que pode informar o significado do que se come e de como se come. Comidas do cotidiano, da festa de rua, da festa religiosa. Comidas do mundo dos homens e do mundo dos orixás, caboclos e de tantos outros deuses que fazem mitologias nacionais. Quando visito uma cidade, vou logo ao mercado e a feira para conhecer os alimentos. Depois busco uma banca, um restaurante para comer e beber, tentando entender e elaborar cheiros, cores e gostos. Somente depois dessa viagem pela boca vou ao encontro dos monumentos de pedra e cal, acreditando que, pela comida, sente-se e sabe-se a alma de um lugar. A tradição convive com a mudança. Acarajés pequenos e iguais aos encontrados na costa ocidental africana estão lado a lado, na Bahia, com os grandes acarajés que lembram pães de hambúrguer, recebendo recheios de vatapá, caruru, salada, pimenta - verdadeiros sanduíches nagôs. Assim, vivem as muitas mesas brasileiras, e pluralizar, creio, é a melhor receita para comer o Brasil.
{{thumb.precoFormatado}}

cultura  

conteudo Criticas
conteudo Relatos de uso